Infertilidade e a psicologia

Infertilidade e a psicologia

Ter filhos é o sonho de muitos casais. Alguns conseguem engravidar sem dificuldade, enquanto outros precisam de alguns meses e muitas tentativas. Também existem os casos em que a demora é longa a ponto de preocupar e então são realizados os exames de fertilidade. A causa pode estar tanto no homem quanto na mulher e costuma ser ligada a fatores externos, biológicos ou psicológicos – estes últimos, que devem ser tratados com a ajuda de um psicólogo.

Entre os fatores externos, podemos citar o fumo, o consumo elevado de bebidas alcoólicas e o uso de determinados medicamentos. As causas biológicas podem incluir a varicocele (responsável por quase metade dos casos de infertilidade masculina), endometriose (causa comum para infertilidade feminina) e a idade avançada.

Por fim, existem os fatores emocionais. Entre eles, dois bons conhecidos dos consultórios dos psicólogos: o estresse e a ansiedade.

Como os fatores psicológicos podem afetar a fertilidade?

Não é raro um casal com dificuldade para ter filhos encontrar nenhum fator biológico que explique o que pode ser o problema. Por isso, também é importante estar atento aos fatores emocionais. A ansiedade é um exemplo de sintoma psicológico que prejudica a concepção de um bebê, porque em alguns casos pode levar ao estresse, que afeta a ovulação feminina. Homens estressados também podem apresentar problemas de fertilidade, porque há a possibilidade de a quantidade de esperma diminuir. Estas são algumas das razões que explicam a demora da gravidez se concretizar.

É importante perceber que esta demora para conceber um filho também pode causar – ou agravar – o estado de ansiedade. A ansiedade, por sua vez, prejudica o tratamento – uma vez que afeta a ovulação e a quantidade de esperma. Logo se forma um ciclo, difícil de ser quebrado sem uma orientação adequada, que cuide não só da parte física, mas também da saúde emocional.

Cuidando dos fatores emocionais para tratar a fertilidade

Procurar o apoio de um psicólogo é uma boa maneira de garantir que os fatores emocionais serão devidamente tratados. Quando um homem ou uma mulher percebem que têm problemas de fertilidade, há um sentimento negativo motivado pelo impedimento de concretizar um sonho. Existem ainda as cobranças sociais e a preocupação em relação ao tempo – especialmente quando o casal já tem mais de 30 anos.

O psicólogo pode ajudar a lidar com estas e outras questões emocionais, para que homens e mulheres se encontrem em um estado de tranquilidade, mais propício para a concepção de um bebê.

Também é importante falar sobre casais que encontram razões biológicas para a infertilidade, que não podem ser tratadas. Nestes casos, o acompanhamento psicológico também é essencial. Todo o processo – meses de tentativas, exames e a descoberta de que a infertilidade não tem cura – pode ser frustrante e até traumatizante. O apoio de um psicólogo nessa hora certamente será de grande ajuda, para que o casal avalie alternativas para concretizar o sonho de ter filhos e aprenda a lidar com sentimentos que podem surgir neste momento, como a raiva, a culpa e a tristeza.

Autora: Thaiana F. Brotto (Psicóloga CRP 06/106524)

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.